Home » Sobre Jesus » Jesus Cristo Veio Cumprir Ou Anular A Lei Do Velho Testamento?

Jesus Cristo Veio Cumprir Ou Anular A Lei Do Velho Testamento?

Há dois textos aparentemente conflitantes: No Evangelho de Mateus, capítulo 5, versículos 17-19, Jesus diz que Ele não veio para destruir a Lei ou os profetas, mas veio para cumprir.
O outro texto está na segunda carta do apóstolo Paulo aos Coríntios, capítulo 3, versículo 14, dizendo que o Velho Testamento foi por Cristo abolido.
Como interpretar esse aparente conflito?

Temas relacionados:

  • Anonymous

    Jesus veio para cumprir a Lei, dando a ela o REAL SENTIDO, que muitas vezes não era compreendido pelos doutores daquele tempo.
    Ao mesmo tempo, ao instaurar a GRAÇA, liberta aqueles condenados pela lei.

  • Anonymous

    veio cumprir e só veio abolir lá na cruz onde se diz: está tudo consumado e o véu da lei rasgou pelo meio,
    No caso de II Corintios 3:14 diz que Cristo abolui a os dez mandamentos ,para entender leia I I Corintios 3:13 onde diz que Moisés colocou um véu para que os filhos de Israel olhassem firmemente para o fim daquilo que era transitorio. quem era? claro que era os dez mandamentos. sabe o que acontece quandos os judeus se convertem a Cristo o véu é tirado I I Corintios 3:16 sabe até hoje os judeus estão com o véu , só é tirados deles ao aceitar Jesus.
    não tem nada de conflitantes ´só crê.

  • Waldir – SHALOM ADONAI ECHAD!

    Não há conflito algum…
    Em Mateus cap. 5… Jesus disse que veio cumprir a LEI E OS PROFETAS…
    Paulo explendidamente revela que Jesus cravou a Lei e os mandamentos na cruz, cumprindo exatamente a Lei e os relatos proféticos sobre sua morte e redenção dos homens que cressem. Efésios 2:
    14 Porque ele é a nossa paz, o qual de ambos os povos fez um; e, derrubando a parede de separação que estava no meio, na sua carne desfez a inimizade,
    15 isto é, a lei dos mandamentos contidos em ordenanças, para criar, em si mesmo, dos dois um novo homem, assim fazendo a paz,
    Para você entender isto, basta ler nos textos da crucificação, onde Jesus bradou: ESTÁ CUMPRIDO ou… ESTÁ CONSUMADO!
    A palavra no original GREGO é TETELESTAI = E esta palavra é aplicada em termos jurídicos como: Aquele que pagou a sentença; Aquele que pagou todas as dívidas em lugar de outrem.
    Ou seja…
    Tudo foi consumado em Cristo Jesus!
    Um abraço!
    Waldir Alves

  • Anonymous

    Como foram passagens escritas por pessoas diferentes dá pra confundir, mas acho que ele veio modificar alguns valores perdidos e simplificar as como naquela parte que ele diz algo do tipo: “amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo, eis toda a leis”.
    Mas até hoje a gente confunde tudo e ainda usa o nome dele para fazer guerra, desde as Cruzadas até o xilique de alguns evangélicos de hoje… que demonstram amor ao próximo se esse próximo pensar como ele, e é claro ser da mesma comunidade.

  • Vieira Brasil

    Simples,
    Veja seja atento:
    Jesus não veio destruir(passar por cima,ignorar)a Lei e nem os Profetas,
    João foi o ultimo profeta,
    Jesus foi apos João,
    portanto durante o ministerio de Jesus aqui na Terra já não existia profeta,a Lei ainda estava em vigor,porém Ele a cumprio,com sua morte a Lei foi cravada com Ele na cruz.
    Com isso hoje não vivemos mas a Lei pois ela foi morta juntamente com Cristo,pela GRAÇA de Deus é que hoje vivemos.

  • Anonymous

    Veio CUMPRIR. E cumprida ela está! Por isso, vivemos NÃO MAIS debaixo da Lei e sim debaixo da GRAÇA.
    JESUS CUMPRIU TODA A LEI E OS PROFETAS!
    Mas nós vivemos debaixo da GRAÇA.
    A lei e os profetas duraram até João e a partir de Jesus nos é ANUNCIADO O REINO DE DEUS.

  • Petrus

    Eu interpreto da seguinte forma: O evangelho de Mateus são as palavras do próprio Jesus. A carta de Paulo é uma carta de Paulo, um cara qualquer que se dizia sob a influência divina!
    Então, o que se conclui…

  • Marinhei

    Primeiro caso- Jesus como bom judeu teria de cumprir a lei
    Segundo caso- Nós ex gentios não não vamos seguir o que era para os judeus, para nós, Paulo explica, esqueça das leis judaicas, esta abolido. Espero ter te ajudado de maneira bem simples
    Um abraço

  • Anonymous

    Mano, esse velho Testamento a que Paulo se refere é a Velha Aliança de Deus com Israel (que era só com Israel), para ser com o resto do mundo (sacrificios, pois o sacrificio perfeito foi feito, a crucificação de Cristo).

  • eldemarm

    JESUS CRISTO veio cumprir a lei, como todos que antecederam a ele, para que troussese, a salvaçao, ou seja uma nova lei que destroi a lei do pecado.

  • Soraya Moraes – Grammy 2008

    Cumprir a tanach e estabelecer uma nova alianca mediante o seu sacrificio e sangue, um novo testamento para os seus seguidores, deixando a tanach para os judeus viverem e cumprirem.

  • Quero S

    Ele veio para cumprir a lei,e a cumpriu .
    o véu (lei) que separava ,já não separa mais.

  • OHMYGOD!

    Veio para botar mais lenha na fogueira, criar mais divisões, dar ensejo a mais guerras santas… e morreu em vão, tadinho.

  • Irapoan

    Liga pra isso, não.
    Veja como ele acabou:
    Crucificado, numa tanguinha indecente, coroado de espinhos …

  • ?Libertando os Cativos?

    Cumprir.:
    Mas saibam como reconhecer uma seita:
    Foi o que o fundador do adventismo fez: William Miller(1782 – 1849)Em 1818 marcou a data para a vina de Cristo para 21/03/1843.
    O dia veio e nada aconteceu. Depois mudou para 22 de outubro de 1844, onde errou denovo.
    Ele se baseou em (Daniel 8:14) – as 2.300 tardes e manhãs.Logo se arrependeu e veio servir à Cristo. Então levantou outro grupo.
    Os príncipais eram:
    * Hiram Edson – Revelações
    * Joseph Bates – Observava o Sábado
    * James Whaite com sua esposa “Ellen Gold Whaite”, com sua visões.
    Juntos fundaram em 1863 o Movimento Adventista.
    Refurtação:
    *Jesus Guardou o Sábado – (Lc 4:16)
    * Teve seu nascimento 2º a Lei: (Dt 18:15)
    * Nasceu sob a Lei: (Gl 4:4)
    * Foi apresentado no Templo 2º a Lei: (Lc 2:22)
    * Foi circuncidado 2º a Lei: (Lc 2:21)
    * Ofereceu Sacrifício 2º a Lei: (Lc 2:24)
    * Foi Odiado 2º a Lei: (Jo 15:25)
    * Foi morto 2º a Lei: (Jo 19:7)
    * Morreu e Reesuscitou 2º a Lei: (Lc 24:44-46)
    * Foi o ùnico que cumpriu a Lei: (Mt 5:17; Jo 19:30; Rm 10:4)
    * Era Senhor do Sábado: (Mt 12:18)
    * Escolheu esse dia para trabalhar: (Jo 5:17)
    * Jesus defendeu seua discípulos por terem trabalhado no sábado:(Mt 12:1-8)
    * Jesus é o nosso Sábado: “Descanso”(Mt 11:28)
    * Por isso Ele não guardava o sábado:(Jo 9:16).
    E VOCÊ; CUMPRE TODOS ESSES MANDAMENTOS?

  • Tompson Rogério Vieira

    A maneira de encararmos hoje a Lei é influenciada pelo entendimento que temos sobre o motivo de Jeová ter dado a Israel um código de leis. As Escrituras explicam: “Ela foi acrescentada [ao pacto abraâmico] para tornar manifestas as transgressões, até que chegasse o descendente a quem se fizera a promessa . . . A Lei, por conseguinte, tornou-se o nosso tutor, conduzindo a Cristo, para que fôssemos declarados justos devido à fé.” (Gál. 3:19, 24) Como fazia isso a Lei?
    Por estabelecer um modelo perfeito, abrangendo as diversas facetas da vida, mostrava que os judeus eram pecadores. Tornava-se evidente que, apesar de todas as boas intenções e esforços diligentes, eles não podiam satisfazer os requisitos dela. Usando os judeus como exemplo da família humana imperfeita, a Lei expunha todo o mundo, inclusive cada um de nós, como pecadores, sujeitos à punição por Deus. (Rom. 3:19, 20) Salientava assim a necessidade dum salvador para a humanidade, e conduzia os fiéis a Jesus Cristo, como este Salvador. De que modo? Identificou-o como o único que cumpriu a Lei perfeitamente, sendo assim o único humano que não tinha pecado. Os sacrifícios de animais, sob a Lei, tinham apenas um valor limitado, mas Jesus, como homem perfeito, podia oferecer a sua vida como sacrifício que eliminaria realmente o pecado e abriria o caminho para a vida eterna de todos os que exercessem fé. — João 1:29; 3:16; 1 Ped. 1:18, 19.
    Com este fundo histórico em mente, como responderia às seguintes perguntas?
    Destinava-se a Lei mosaica de algum modo a ser obrigatória para toda a humanidade? (Sal. 147:19, 20; Êxo. 31:12, 13)
    Deu Jeová alguma indicação a Israel de que algum dia o pacto da Lei havia de terminar? (Jer. 31:31-33; Heb. 8:13)
    Será que os Dez Mandamentos, inclusive o requisito de se observar o sábado semanal, permaneceram em vigor depois de se cancelar o restante da Lei? (Col. 2:13, 14, 16; 2 Cor. 3:7-11 [conforme tornado claro por Êxodo 34:28-30]; Rom. 7:6, 7)
    Por que meios terminou Jeová o pacto da Lei? (Col. 2:13-17; Mat. 5:17, 18; Rom. 10:4)
    Em vista disso, em que implica o argumento de que a Lei mosaica ainda está em vigor? Na realidade, constitui um repúdio da fé em Jesus Cristo. Por quê? Porque tal conceito rejeita o fato de Jesus ter cumprido a Lei, abrindo assim o caminho para Deus terminá-la. Àqueles que professavam ser cristãos, mas que se deixavam levar por argumentos a favor da guarda da Lei, ou de alguma parte dela, o apóstolo Paulo escreveu incisivamente: “Estais apartados de Cristo, quem quer que sejais que tenteis ser declarados justos por meio de lei; decaístes da sua benignidade imerecida.” — Gál. 5:4; veja também Romanos 10:2-4.
    Os que argumentam a favor da continuidade de certos aspectos da Lei não entendem plenamente que a condição justa perante Deus não depende das obras da Lei que a pessoa faz, mas da fé que ela tem no valor do sacrifício de Jesus. (Gál. 3:11, 12) Acham que a pessoa precisa mostrar-se justa por meio de tais obras — algo que é impossível a humanos imperfeitos. De fato, é importante fazer obras em obediência às ordens de Deus e de Cristo que se aplicam aos cristãos. (Tia. 2:15-17; Mat. 28:19, 20) Elas são a maneira de demonstrarmos nosso amor e nossa fé, e a falta deles indicaria que nossa fé está morta. Mas não podemos merecer a salvação, não importa quanto nos esforcemos. Nenhuma salvação do pecado e da morte seria possível sem o sacrifício de Jesus Cristo. A vida eterna é assim uma dádiva de Deus por meio de Jesus Cristo, uma expressão de extraordinária benignidade imerecida, e não o pagamento por nossas obras. — Efé. 2:8, 9; Rom. 3:23, 24; 6:23.
    Quando a questão da aplicação da Lei mosaica aos cristãos gentios foi apresentada ao corpo governante em Jerusalém, no primeiro século, a decisão deste estava em harmonia com esses fatos. Eles reconheceram que Jeová não exigia que os crentes gentios realizassem obras em obediência à Lei mosaica antes de se derramar sobre eles espírito santo. A decisão desse corpo governante alistou como “coisas necessárias” certas proibições que estavam em harmonia com essa Lei, mas que se baseavam no registro bíblico sobre eventos que antecederam à Lei. De modo que não se impôs aos cristãos gentios a responsabilidade de se harmonizarem com a Lei mosaica ou com parte dela, mas, antes, confirmaram-se as normas reconhecidas já antes de Moisés. — Atos 15:28, 29; veja Gênesis 9:3, 4; 34:2-7; 35:2-5.
    Depois de Pentecostes de 33 EC, nem mesmo os próprios judeus eram obrigados por Deus a continuarem a acatar o código da Lei mosaica. E os judeus que exerciam fé viam nisso um motivo especial para se alegrarem. Por quê? Embora os gentios também fossem pecadores e assim estivessem morrendo, só os judeus haviam sofrido a maldição de Deus por serem violadores do pacto da Lei. Mas, pela maneira em que Cristo morreu — pregado numa estaca como se fosse um criminoso amaldiçoado — ele tomou o lugar dos judeus que tivessem fé nele e proveu-lhes o livramento da penalidade incorrida em resultado de sua desobediência à Lei. (Gál. 3:10-13) Proveu-lhes assim um perdão que eles nunca teriam tido sob a Lei mosaica. — Atos 13:38, 39.
    A Lei, de fato, havia separado os judeus dos gentios. Impunham-se aos judeus requisitos que não se aplicavam aos gentios, e os gentios incircuncisos estavam impedidos de participar plenamente com os judeus na sua adoração. (Veja Êxodo 12:48; Atos 10:28.) Mas, uma vez que a Lei tinha cumprido seu objetivo e fora removida, era possível que os judeus e os gentios incircuncisos fossem unidos por meio de Cristo na adoração do único Deus verdadeiro. — Efé. 2:11-18.

  • Pergres

    Jesus veio cumprir o que o Velho Testamento falava dele.
    ALTEROU muitos costumes que os judeus tinham, como as “leis cerimoniais” ou os “ritos” que usavam para a ADORAÇÃO a Deus.
    Esses ritos ou observâncias dos judeus é que foram “abolidos”, conforme o apóstolo Paulo disse em 2 Coríntios 3:14, ou seja, depois de Jesus NÃO precisariam mais guardar “os sábados, as luas novas, as festas (exceto a Páscoa), o casamento entre cunhados, as genealogias, etc.
    Quando começou a sua obra, o próprio Cristo disse que com Moisés tinha sido de um jeito e que, com ele, seria de outro. Jesus disse, várias vezes:
    “Ouvistes o que foi dito aos antigos… EU, porém, vos digo…” (Mateus 5:21,27,33,43).
    Ele disse que “A lei e os profetas duraram até João (Batista)…” (Lucas 16:16).
    A finalidade da “lei de Moisés” foi a de CONDUZI-LOS até a chegada de Cristo (Gálatas 3:24,25 – Colossenses 2:16,17).
    Depois da chegada dele, portanto, o pacto seria mudado.
    Teriam outro modo de seguir os regulamentos.
    O próprio Moisés havia falado isso, em Deuteronômio 18:18,19, e os discípulos Pedro e Tiago o confirmaram em Atos 3:12-26 e 15:28,29.
    Com Moisés, haviam buscado territórios ou lugares geográficos.
    Com Jesus, precisariam se aperfeiçoar, para que pudessem buscar o Reino de Deus (Mateus 6:9,10,33 e 10:7,8).
    Teriam de agir de um modo muito DIFERENTE.
    Não poderiam mais, por exemplo, usar aquele lema antigo do “olho por olho”. Ao invés de “odiar o seu inimigo”, deveriam “amá-los” e, até, “bendizer a quem os perseguisse” (Mateus 5:38-48).
    Mas e numa guerra carnal, como ficaria?
    O apóstolo Paulo, que seguia a lei de Moisés corretamente (Filipenses 3:4-8) e que tinha sido um judeu VIOLENTO até se converter (Atos 8:1), explica:
    “Embora andem na carne, as armas do cristão não são carnais, pois a sua luta não é contra as pessoas, mas sim contra os RACIOCÍNIOS que elas têm em oposição a Deus” (2 Coríntios 10:3-6).
    Que diferença, não?
    Não é à toa que estranharam o que Cristo ensinava.
    O grande problema, porém, era a INTERPRETAÇÃO que faziam.
    Na ocasião do exílio em Babilônia, Jeremias 31:31-33 já tinha adiantado que chegaria um tempo em que “as leis seriam escritas no coração e não no papel”.
    Mas os judeus da época dos apóstolos pareciam NÃO entender, ainda, que Jeremias apontava para a chegada de Cristo e que, a partir dele, tal mudança ocorreria.
    Alguns anos depois da morte de Cristo, então, foi necessário escrever o que ficou conhecido como “aos Hebreus (ou aos israelitas)”.
    Como seu nome diz, tal escrito foi feito ESPECIALMENTE para eles, embora esclareça a todos, evidentemente.
    Na realidade, trata-se de um livro (ou de uma carta aberta), com várias e detalhadas explicações sobre as passagens do Velho Testamento, mostrando que, tanto ANTES como depois de ter sido dada a “lei de Moisés”, as Escrituras já apontavam para o Cristo. Inclusive a citação acima, de Jeremias, foi usada para deixar bem evidente a mudança de atitudes.
    Hebreus 8:1-13 conclui, de um modo claro:
    “SE aquele primeiro (pacto ou conjunto das leis) fora irrepreensível, NUNCA se teria buscado lugar para o segundo”.
    Não é evidente?
    Se Deus já tinha acertado tudo com o primeiro pacto, mediado por Moisés, NÃO precisaria fazer um NOVO pacto, mediado por Jesus (Hebreus 12:24 – 1 Timóteo 2:5,6).
    Inclusive o grandioso Abraão, patriarca hebreu, que foi considerado “amigo de Deus”, participou de uma “semelhança”, no sacrifício de seu filho Isaac.
    Aquilo mostrou o que Deus faria no futuro, quando sacrificaria o Seu único Filho (Jesus Cristo) em favor de toda a humanidade (Hebreus 11:17-19 – João 3:16).
    Incidentalmente, aí mostra que Deus e Cristo são DUAS pessoas diferentes.
    Todos sabem que Abraão e seu filho foram duas pessoas individuais, da mesma forma que todos os outros pais e filhos são duas pessoas diferentes, separadas uma da outra. No entanto, como Abrão e Isaque foram “semelhanças” de Deus e de Seu Filho, mostra que estes últimos também seriam seres individuais ou separados um do outro.