As Palavras do Senhor

O Ensino Da Religião única Tinha Que Ser Obrigatório Em Todas As Escolas?

Temos que diferenciar ensino religioso de ensino da religião.
Como já respondi dias atrás, pergunta semelhante, vou postar a resposta que dei anteriormente:
Religião não, mas ensino religioso é um caso a se pensar.
Eu ainda peguei um período escolar em que OSPB (Organização Social Política Brasileira) e Ensino Religioso faziam parte da grade curricular nas escolas.
Só que diferentemente do que muitos pensam,o ensino visava ensinar o que é religião e explicava-se a história de algumas delas.
Por exemplo, explicava o que é o Hinduísmo, suas origens,cultos, etc e assim por diante. O aluno aprendia a história das mais diversas religiões existentes pelo mundo, o que chegava a ser um adquirir de conhecimentos acerca das diversas crenças existentes no mundo.
Talvez esse estudo sobre religiões, criasse uma sociedade com menos preconceitos sobre religiosidade.
Mas a maioria das religiões hoje em dia tem em suas igrejas e outros, a evangelização infantil.
Quanto ao Estado, acho que ele deve permanecer como laico, pois ele existe justamente para oferecer aos seus cidadãos segurança e liberdade para professarem o credo que melhor convier.
Então enganam-se aqueles que Ensino religioso seria ministrado por padre,pastor ou representante de quaísquer religião. Seria ministrado por um professor ensinando religião, mas o conteúdo seria de cunho ecumênico.Se fugisse a este procedimento, estariam ensinando religião.
Será que alguns pais estariam preparados para isto? Todo mundo iria querer puxar a sardinha para sua brasa, mas em nome do bom senso e da civilidade o espaço teria que ser todos.
Então o melhor é deixar quieto, pois alguns pais poderiam até deixar de matricular seus filhos em escolas que tivessem essa matéria no currículo.

COMENTÁRIOS FACEBOOK

Comments to O Ensino Da Religião única Tinha Que Ser Obrigatório Em Todas As Escolas?

  • Caro Ultra-Nacionalista!
    Não, não creio!
    O que deveria ser feito é um estudo em Ciências Sociais e em História a respeito do assunto, mas sem “puxar a sardinha” para lado algum.
    No entanto, as escolas religiosas deveriam ter o direito de ensinar a respeito de sua religião e os pais deveriam saber desta matéria no currículo escolar do seus filhos.
    É esta a minha opinião.
    PS: Agora que eu vi: “religião única”: que religião é esta?
    Um abraço pra você!

    Black-ti 16 Outubro, 2009 20:27
  • Hj não tem esse ensino único, por exemplo, ensinar doutrinas católicas nas escolas. A Lei de diretrizes e bases da educação brasileira 9394/96 pref]ga que se tenha essa disciplina na escola. Porém, ela é de presença facultativa. Mais do que justo, já que tal disciplina tem uma pendência muito grande para o ensinamento católico; sendo assim, alunos de outras crenças não precisam s submeter a isso. Por exemplo, minha prima, de crença protestante, estava aprendendo nas aulas de ensino religioso “símbolos pascoais”, coisa da tradição católica. A mãe dela simplesmente pediu a diretora para que ela se ausentasse da sala durante essa disciplina e foi cobrado uma atividade diferenciada dela.

    Vovó (Grandma) 16 Outubro, 2009 20:27
  • Essa é uma caracterísitica dos países imperialistas. Sempre que “conquistam” um país e formam uma colônia nova, eles procuram destruir a cultura local e implantar a nova cultura com objetivo de diminuir quaisquer resistências. Ou então em sistemas políticos teocratas.
    No caso do Brasil de hoje, acredito que as escolas deveriam utilizar da Filosofia como base estudo para os alunos das séries fundamentais.

    Marlucio Pereira 16 Outubro, 2009 20:27
  • Não!
    Na minha opinião isso é um desrespeito para quem tem religião diferente da que seria imposta nas escolas.
    Entendo que se deveria ensinar EDUCAÇÃO MORAL E CÍVICA nas escolas, bem como FILOSOFIA e PSICOLOGIA.
    A religião deveria ser algo pessoal, e familiar.
    As crianças não deveriam ser obrigados a ter aulas de uma religião que ela não professa, ou sua família não queira para ela.
    Com certeza ensinariam as bases do Catolicismo nas escolas, sendo que tem alunos que são filhos de evangélicos, filhos de umbandistas, filhos de mórmons, filhos de Testemunhas de Jeová, filhos de espíritas kardecistas, e assim por diante.
    Qual seria a base da religião ensinada nas escolas?
    Seria uma base ecumênica?
    Neste caso, quem seriam os autores dos livros didáticos?
    E as crenças pessoais dos professores?
    Isso tudo influencia no ensinamento, e se torna INEVITAVELMENTE TENDENCIOSO.
    Por isso sou contra o ensino religioso nas escolas.
    E sou a favor da Educação Moral e Cívica, bem como Filosofia e Psicologia.
    Um abraço.

    Wordpress Autoblog Software 16 Outubro, 2009 20:27
  • A Escola Pública, como o Estado, deve ser LAICA.
    Religião deve ser ensinada inicialmente em casa e depois de adulto, nas igrejas.
    Sou frontalmente contra o ensino religioso nas escolas públicas.
    Felicidades.
    VR.
    A educação laica é muito superior à educação religiosa, basta comparar os países que não entregaram seus filhos a uma educação atrofiante e cheia de dogmas e fantasias, com os latino americanos.

    Pentalfa 16 Outubro, 2009 20:27
  • ÚNICA NÃO, o que está sendo proposto é algo mais abrangente e cabe a todos nós cidadãos termos ciência dos fatos antes de emitirmos opiniões de juízo. Conforme já notei muitos estão equivocados.
    Fala-se muito ultimamente que o Estado é laico. Procura-se, a todo custo, defender as liberdades laicas. Almeja-se relegar a prática religiosa ao âmbito exclusivamente privado da vida dos indivíduos, excluindo-a da vida pública. Todavia, não é isso o que dizem a Constituição e os tratados internacionais sobre direitos humanos, em dispositivos que não podem ser revogados.
    É preciso dizer, antes de mais, que a laicidade, que nada tem a ver com laicismo – caricatura, deturpação monstruosa da laicidade, como o racionalismo é caricatura e, como tal, deformação da racionalidade –, é via dupla: tem mão e contramão. A máxima de Cristo: “Dai a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus” significa que as instâncias política e religiosa têm as suas esferas próprias de atuação. Não deve haver interferências indevidas, reciprocamente.
    Por conseguinte, se é preciso defender a laicidade do Estado, não menos importante é assegurar o que é próprio das confissões religiosas: a sua doutrina, o seu ensino, a sua liturgia, os seus ritos, a sua disciplina interna. Em outras palavras: faz-se mister proteger a vivência da religião da praga do laicismo, a Inquisição dos tempos modernos.
    A liberdade religiosa é um direito humano universal e inalienável. É consagrado na Declaração Universal dos direitos do homem de 1948, que assim reza:
    “Art. 18. Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião. Este direito importa a liberdade de mudar de religião, ou convicção, bem assim a liberdade de manifestá-las, isoladamente ou em comum, em público ou em particular, pelo ensino, pelas práticas, pelo culto e pela observância dos ritos.” (negritos meus)
    Observe-se, pois, que o direito de liberdade religiosa garante a liberdade de manifestar a religião publicamente, inclusive pelo ensino, pelas práticas, pelo culto e pelos ritos.
    No mesmo sentido é o Pacto de São José da Costa Rica, de que a República Federativa do Brasil é signatária, e que, a meu ver, possui inegável status de norma constitucional:
    “Art. 12. Liberdade de crença e de religião
    Querem impedir as crenças e impor outras condutas com que motivos????
    Outro exemplo do que estou afirmando são as paradas gays, financiadas também com dinheiro nosso, dos nossos impostos, em que se pleiteia a aprovação do PLC 122/2006, o Projeto de Lei da Mordaça Gay. Caso seja aprovado este monstruoso projeto de lei, no Brasil, transformado em estado ideológico, totalitário e marxista, será proibida qualquer manifestação de rejeição ao homossexualismo. Afirmar que o homossexualismo é imoral poderá causar constrangimento a cidadãos de “primeira classe”, os homossexuais, e determinar a condenação criminal de cidadãos de “segunda classe”, os ministros de confissão religiosa. O alerta é importante, embora se saiba que o PLC 122/2006 é incompatível com a Constituição e com o Pacto de São José da Costa Rica. Hoje o fatídico projeto que r invadir as escolas públicas sem ao menos ser questionado pela sociedade. UM PODE E O OUTRO NÃO?? E AÍ CARÍSSIMOS LEITORES, O QUE FAZER???
    Conclamo, pois, aos cristãos e outros segmentos religiosos que se unam e, à vista da abundância de normas sobre o tema, lancem mão dos instrumentos jurídicos e políticos necessários à defesa da sua inalienável e sagrada liberdade religiosa.
    Paz e Bem
    VELHO RIOZINHO,
    se voce estiver se referindo as escolas européias, saiba que o velho continente vem se esfacelando em relação aos direitos dos idosos, uso de drogas, aborto etc…as relações familiares estão dispersas, frias e com elevado nível de problemas relacionados a depressão. Eles deixaram simplesmente de ser referência social para o mundo.

    Velho Riozinho 16 Outubro, 2009 20:27
  • Não. Eu acho q O q deve ser ensinado tanto nas escolas como nos lares, e apoiado pela midia é o respeito as pessoas, independente do credo, cor, raça, opção politica….enfim.

    mauro c 16 Outubro, 2009 20:27
  • Não. Se fossemos um Estado laico, relamente, não seria ensinado religião nas escolas, nem as tradições que são frutos do catolicismo.

    XYZ 16 Outubro, 2009 20:27
  • eu não concordo com isso
    pois acho que deve e estimular e diversidade
    além de que nao devemos impor a religião as crianças

    Julio Cesar 16 Outubro, 2009 20:27
  • EU ACHO QUE NÃO!!!!!! SE O PAPA TÁ LUTANDO POR ISSO????????? EU NÃO SEI, MÁS EU NÃO CONCORDO!!!!!! FICA A CRITÉRIO DA FAMÍLIA EDUCAR SEUS FILHOS NA SUA RELIGIÃO!!!!!!!!!!

    Lks (0.o) 16 Outubro, 2009 20:27
  • Não sou a favor.
    E também não vejo necessidade de que se tenha ensino religioso nas escolas.

    LUDEAR!! 16 Outubro, 2009 20:27
  • De novo. Parece que voce nao entendeu!http://br.answers.yahoo.com/question/ind…

    Martin Luther King Jr. 16 Outubro, 2009 20:27
  • ensino religioso na escola = respeito(o fato principal) a crença alheia, humildade e conhecimento das religioes, afim de evitar o nascimento de PRECONCEITOS RELIGIOSOS…..

    Soraya Moraes - Grammy 2008 16 Outubro, 2009 20:27
  • acredito que não…. iss tira toda a liberdade de ecolha.. se torna massante ter que participar de aulas como estas.
    Bjokass

    _ † um simples PHN † _ 16 Outubro, 2009 20:27
  • De forma alguma.
    Todas as religiões têm o direito de se fazerem conhecidas e compreendidas.

    Anne Tairine 16 Outubro, 2009 20:27
  • Não, isto é anti-constuticional.
    Ou se ensina a base das principais religioes, ou não se ensina nenhuma.

    Carlos Spadin 16 Outubro, 2009 20:27
  • O ENSINO RELIGIOSO DEVERIA SER EXCLUSIVIDADE DAS RELIGIÕES ,NÃO DEVENDO O ESTADO INTERFERIR

    John Lucas 16 Outubro, 2009 20:27
  • O q seria essa religião única, vc pode explicar?????
    Fiquei curiosa.

    su 16 Outubro, 2009 20:27
  • De forma alguma, cada um deve buscar este aprendizado por conta própria.

    candise 16 Outubro, 2009 20:27
  • O papa está lutando para isto.
    as escrituras estão se cumprindo.

    Salomé 16 Outubro, 2009 20:27
  • claroi que não, ninguém pode obrigar ninguém a seguir religião

    O Alarido 16 Outubro, 2009 20:27
  • Apropinquem-se do Sunda e tirem o preconceito da cacunda!

    lunatjb 16 Outubro, 2009 20:27

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Loading...