As Palavras do Senhor

O Que é A Biblia Perante A Autoridade Da Igreja?

Muitos afirmam que leem a Biblia, tem o atrevimendo de levantar a voz contra a Igreja, se baseando na Biblia, mas eu vou dizer algo.
A Tradição Apostolica, tem igual valor ou maior que a Biblia, por ser a continuação da Palavra de Deus, que se renova a cada dia.
Sendo assim, que rejeita a Tradição Apostolica, rejeita o proprio Cristo Jesus, que fala ao mundo através dela, ou vocês são tão ignorantes ao achar que a Palavra de Deus se resume so no que esta escrito na Biblia ?
Ora por favor, esta na hora de algumas pessoas tomarem vergonha na cara, e começar a olhar a realidade, e respeitar o Vaticano, e a Sucessão Apostolica.
Quem rejeita aos dogmas da Igreja, rejeita a voz de Cristo.

COMENTÁRIOS FACEBOOK

Comments to O Que é A Biblia Perante A Autoridade Da Igreja?

  • Ignorantes como vc disse ai… são pessoas que não entendem a bíblia. Quem entende pratica … sabe respeitar as pessoas… não importa a religião…se a bíblia é a palavra de Deus… deve ser respeita … até pq a própria bíblia diz para respeitarmos as autoridades eclesiásticas…

    sunshine 8 Julho, 2009 17:37
  • 1João 5:7 – Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um.
    Deus diz que ele e sua palavra são um, está você a sugerir que a igreja é maior que Deus, ou que Deus mente quando afirma o que mencionei a seguir?
    é essa a sua ousadia diante de Deus, de afirmar que a sua igreja é maior que ele e que entre as palavras de Deus e as da sua igreja, você fica com as da sua igreja?
    Ou será a sua ousadia diferente e diz você a Deus: “quando afirmaste isto, mentiste, é Deus!”
    ???????

    betteris 8 Julho, 2009 17:37
  • (Atos 17:11) – Ora, estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.
    O apóstolo Paulo falava em suas cartas acerca de falsos apóstolos, falsos profetas, como a seguir:
    (I Timóteo 4:1) – MAS o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios;
    (I Timóteo 4:2) – Pela hipocrisia de homens que falam mentiras, tendo cauterizada a sua própria consciência;
    (I Timóteo 4:3) – Proibindo o casamento, e ordenando a abstinência dos alimentos que Deus criou para os fiéis, e para os que conhecem a verdade, a fim de usarem deles com ações de graças;
    E assim a doutrina de Cristo não mudou. Durante a Igreja Primitiva ninguém rezava a santos, ídolos e etc. O evangelho não mudou. Cristo nos dá livre acesso ao Pai.
    De sorte que:
    (Gálatas 1:8) – Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema.
    Paulo, o apóstolo mesmo, colocou em cheque a sua autoridade apostólica quando disse isso. Mesmo os apóstolos não poderiam anunciar outro evangelho. Como este que se vê anunciado hoje: “Rezar pra um santo quem sabe a intercessão dele faz milagres” .
    Portanto Paulo dá ênfase ao que antes fora dito nas escrituras. E esta é a base para o evangelho.
    Bispos, apóstolos, padres ou pastores não podem alterá-lo porque serão malditos todos aqueles que o fizerem.

    alexandr 8 Julho, 2009 17:37
  • Acorda menina, o vaticano é apenas um pais banhado a ouro no qual a hipocrisia e a mediocridade são as únicas sucessão.

    jetro i - GATO JEDI 8 Julho, 2009 17:37
  • História da Igreja Católica
    A Igreja, que é “a coluna e sustentáculo da verdade” (1Tm 3,15), guarda fielmente a fé uma vez por todas confiada aos santos (Cf. Jd 1,3). É ela que conserva a memória das Palavras de Cristo, é ela que transmite de geração em geração a confissão de fé dos apóstolos. Como uma mãe que ensina seus filhos a falar e, com isso, a compreender e a comunicar, a Igreja, nossa Mãe, nos ensina a linguagem da fé para introduzir-nos na compreensão e na vida da fé. (Catecismo da Igreja Católica)
    História da Bíblia Sagrada
    Origem e Formação da Bíblia
    1. Indícios e evidências históricas
    O período histórico da formação da Bíblia situa-se entre 1100 a. C. ou 1200 a. C. a 100 d. C. Provavelmente, a mais antiga parte escrita da Bíblia é o Cântico de Débora, que se encontra no livro dos Juízes (Jz, 5).
    Quando os hebreus chegaram a Canaã, já havia na terra um certo desenvolvimento literário, como por exemplo, o alfabeto fenício (do qual se derivou o hebraico), que já existia no século XIV a. C. Os judeus chegaram lá por volta do século XIII a.C. Outro documento desta época é o calendário de Gezér, que data mais ou menos do ano 1000 a.C. É uma indicação de datas para uso dos agricultores. É o documento mais antigo encontrado na Palestina. Outro documento também muito antigo é o sarcófago do Rei Airam, que contém uma inscrição e foi encontrado nos séculos XIV ou XV a. C., em Biblos. Há ainda umas tabuletas encontradas em Ugarit (em 1929), onde estão escritos uns poemas semelhantes aos salmos, datando dos séculos XIV ou XV a. C.
    Além destes, há outros documentos provando que já havia uma escrita na Palestina, antes dos hebreus chegarem lá. A inscrição do túmulo de Siloé (700 a. C.), explicando como foi feito; os “óstracon”, de Samaria, onde há uma espécie de carta diplomática, são documentos que provam a continuidade de uma atividade literária. Em Juizes 8,14, o autor descreve um acontecimento ocorrido mais ou menos em 1100 a.C. E em que língua foi escrito este fato pela primeira vez, na época em que aconteceu? Provavelmente no alfabeto fenício (pré-hebraico).
    2. A tradição oral e a tradição escrita
    A parte mais antiga da Bíblia remonta justamente deste tempo (1100 a.C.), quando a escrita ainda não estava bem definida, e é oral. Desde este tempo já se fora criando uma tradição, que existia oralmente e era transmitida aos novos pelos mais velhos nas reuniões que havia nos santuários. Por este tempo, só eram relatados os acontecimentos do deserto, do Sinai, da aliança de Deus com o povo. Mas os jovens queriam saber o que havia acontecido antes disto. Então foram sendo compostas as histórias dos Patriarcas. Mas, e antes deles, antes de Abraão? Passaram à história da criação do mundo. Por isso, se afirma que a parte mais antiga da Bíblia é o Cântico de Débora, no livro dos Juizes. A partir daí, fez-se um retrospecto didático-histórico.
    Como dissemos, estas histórias iam sendo passadas oralmente de pai a filho, nos santuários. Acontece que nem todos iam para os mesmos santuários, o que motivou a existência de pequenas diferenças na catequese do norte e na do sul. A tradição do sul foi chamada de JAVISTA (J), pois Deus era tratado sempre por Javé; a do norte se chamou ELOISTA (E), porque Deus era tratado como Eloi.
    A tradição oral existiu até os tempos de Daví, quando foi escrita a tradição javista; meio século depois, foi escrita também a eloista. Por volta de 721 a.C., na época, da divisão dos reinos, quando Samaria foi destruída pelos assírios, muitos sacerdotes do norte fugiram para o sul e levaram consigo a sua tradição. A partir de então, as duas foram compiladas num só escrito.
    Falamos das duas tradições: uma do norte e outra do sul. Mas não existiam apenas estas duas, que são as principais. Há ainda a DEUTERONOMICA (D), encontrada casualmente em 622 a. C. por pedreiros, que trabalhavam num templo. Corresponde ao livro Deuteronômio da Bíblia atual. Após esta, surgiu a SACERDOTAL (P), nova compilação das catequeses antigas de Israel, datada do século VI a.C. Ao fim, estas quatro tradições foram combinadas entre si e compiladas em 5 volumes, dando origem ao Pentateuco da Bíblia atual. Na tradição Javista, Deus é antropomórfico. Na Sacerdotal, Deus é poderoso, está acima do tempo, o que significa um progresso no conceito de Deus que o povo tinha. A redação do Pentateuco se deu pelo ano 398 a.C. e compreendia a primeira parte da Bíblia judaica.
    A partir de Josué, a tradição continuou oral, para ser escrita somente por volta de 550 a.C. E foram escritas do modo como o povo contava. Por isso não se pode dar a mesma importância histórica aos fatos descritos nestes livros em relação a outros posteriores, pois alguns fatos narrados foram baseados na tradição popular, enquanto que outros foram baseados em documentos de arquivos (anais do Reino). Este é um grande desafio para os estudiosos e também uma fonte de divergências.
    3. Os Intérpretes – Profetas e Sábios
    Durante muito tempo, os profetas foram os orientadores do povo de Deus. Os livros proféticos resumem os seus ensinamentos, e na sua maioria foram escritos só mais tarde, por seus seguidores. Somente por volta do ano 200 a.C. é que foram redigidos os livros proféticos. Os livros Sapienciais foram o resultado de um estilo literário que esteve em moda durante muito tempo, na época posterior ao exílio. São umas reflexões humanistico-religiosas. Passados os profetas, surgiram os sábios que raciocinavam sobre as coisas da natureza, tirando delas ensinamentos para a vida. Foram acrescentados aos livros sagrados nos últimos séculos a.C., sendo os mais recentes livros do AT.
    4. A nova tradição da era cristã
    O NT não foi escrito com a finalidade de ser acrescentado à Bíblia. No tempo de Cristo e dos Apóstolos, o livro sagrado era apenas o AT. O próprio Jesus Cristo se baseava nele em suas pregações. E Ele mandou apenas pregar, e não escrever. Foi quando uma nova tradição oral foi se formando. E após a morte de Cristo, os apóstolos saíram pregando.
    Mas veio a necessidade de congregar outras pessoas para o anúncio, em vista do grande número de comunidades existentes. Então, começaram a escrever. Mais tarde, com a aceitação também de cidadãos estrangeiros nas comunidades, a mensagem precisou ser traduzida e adaptada. Além disso, o próprio povo necessitava de uma escrita (doutrina escrita) para se conservar una, após a morte dos Apóstolos. Esta redação, no início, era apenas de alguns escritos esparsos, que só depois de algum tempo foram juntos em livros. Exemplo disso está em Mc 2, uma série de disputas de JC com os Judeus, onde se vê claramente que foi recolhida de escritos separados. Também em João se lê: “Muitas outras coisas Jesus fez que não foram escritas…” (Jo 21,24) Isto significa que só foram escritas aquelas mensagens que teriam utilidade, conforme as necessidades momentâneas.
    O evangelho de Marcos, o primeiro a ser escrito, data dos anos 60 ou 70 d.C.; os de Lucas e Mateus, são de 70 ou 80, o que significa que somente após uns 40 anos da morte de JC sua palavra começou a ser escrita. 0 Evangelho de João só foi escrito em torno do ano 100 d.C. Antigamente, se acreditava ser Mateus o autor do primeiro Evangelho. Mas a critica histórica mostra que o de Marcos foi anterior. Aliás, a respeito deste evangelho de Mateus, não se sabe ao certo quem é o seu autor. Foi atribuído a Mateus, apenas por uma tradição e também por uma praxe da época de se atribuir um escrito a alguém mais conhecido e famoso, para que a obra tivesse mais autoridade.
    5. Entendendo algumas dificuldades concretas
    Durante o tempo anterior á escrita dos Evangelhos, havia apenas a pregação dos Apóstolos, recordando os fatos da vida de Cristo, todavia eram fatos esparsos, sem nenhuma preocupação com seqüência ou unidade. Por isso os Evangelhos, que foram esta pregação escrita, se contradizem em algumas datas, o que mostra a pouca importância dada à cronologia. Os fatos eram recordados e aplicados, conforme as necessidades. Assim, até entre os Evangelhos sinóticos, que seguiram a mesma fonte, há diversificações. Por exemplo, no Sermão da Montanha, em Lucas fala “bem aventurados os pobres”; e em Mateus, “bem aventurados os pobres de espírito”. A diferença consiste no seguinte: Lucas deu um sentido social, mais importante para as comunidades gregas, para as quais escrevia. Mas o de Mateus destinava-se às comunidades judias e queria combater uma doutrina dos judeus que tinham uma idéia falsa de pobreza. Para eles, o próprio fato de a pessoa ser pobre, já lhe garantia a salvação, enquanto outra pessoa, pelo simples fato de ser rica, já estava condenada. Por causa disso ele escreveu “pobres de espírito”.
    Outro ponto de discordância é o caso da cura de um cego. Mateus diz “um cego, na saída de Jericó”; e Lucas “dois cegos, na entrada de Jericó”. 0 fato da ‘entrada’ e ‘saída’ pode ser explicado pela existência de duas cidades chamadas Jericó. 0 fato de serem um ou mais cegos explica-se pelo seguinte: era comum naquele tempo os cegos formarem grupos em torno de um cego-lider; e o nome deste geralmente era o do grupo. No entanto, estes detalhes pouco importam ao evangelho. 0 seu interesse é a apresentação da mensagem (evangélion = boa nova).
    6. A fonte comum
    Os Evangelistas sinóticos se basearam no Evangelho de Marcos e noutra fonte, convencionada por fonte “Q”, simbolizando os inúmeros escritos esparsos de que já tratamos. Espalharam cópias destes por outras partes do mundo. Lucas, Mateus, cada um em lugares diferentes, se inspir

    bplhc 8 Julho, 2009 17:37

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado.

Loading...