As Palavras do Senhor

Por Que Não é Proibido Títulos Religiosos E Falar De Religião Nas Propagandas Eleitorais , O Estado é Laico?

Desde quando religião é cartão de visitas do caráter de alguém? A Campanha Política nunca deveria ser baseada em religião de ninguém e sim no caráter, trabalho e feitos reais pela comunidade sem prejudicar o seu semelhante. Devemos exigir o verdadeiro laicismo e não bengalas religiosas que mais servem ao preconceito.Políticos que se dizem religiosos, na verdade em sua gestão, só deixaram muito a desejar.

COMENTÁRIOS FACEBOOK

Comments to Por Que Não é Proibido Títulos Religiosos E Falar De Religião Nas Propagandas Eleitorais , O Estado é Laico?

  • Respondendo especificamente o que perguntou: a personalidade do candidato não se mistura com o Estado.
    O Estado é laico, suas instituições são laicas, mas aqueles que as compõe são pessoas com suas próprias convicções e idealismos. Em outras palavras, não se pode (e nem se deve) misturar os Poderes constituídos com as as pessoas que fazem parte dele.
    A verdade é que a Religião, assim como as artes, a ciência e a filosofia, basilares do conhecimento humano, não podem ser destacados não somente da cultura, assim como da personalidade daqueles que governam.
    Enfim, é uma questão democrática: se atores, filósofo, médicos, militares, etc, podem basear suas candidaturas aos meios que lhes são próprios, pq haveria de ser diferente em termos de Religião?
    Quanto as gestões de políticos que se dizem religiosos, creio que sua observação (“deixaram muito a desejar”) serve para todos os demais candidatos, incluso aqueles que se dizem “ateus”. Vide Aldo Rebelo.

    Ricardo (MALIGNO) 24 Julho, 2009 14:32
  • Na verdade a Bíblia não traz nenhum título a nenhuma pessoa!
    Por exemplo, nao vemos pessoas se referindo a Paulo como “apostolo” Paulo, ou a Pedro como “apostolo” Pedro, ou “bispo” Pedro, a Timoteo como “evangelista” Timoteo e, mesmo a José de Arimatéia que era membro do sinédrio (um senador!), a Biblia faz mençao dele apenas como José de Arimatéia! E, nestes casos (Biblicos), sao homens qualificados para servir desta maneira!
    Parece, pelo menos para mim, que ha uma intençao de usar titulos religiosos para expressar confiança!…
    Mas, da maneira que as religioes vem procedendo creio que é melhor simplesmente se referir aos politicos como “vereador Fulano”, “prefeito Ciclano”, “senador Beutrano”, etc., pois, “pastor Fulano” e “bispo Ciclano”, na atualidade, é provavel que nem os leve para um segundo turno!
    Um forte abraço!

    SerCris Alethinos 24 Julho, 2009 14:32
  • Os que usam a religião como parte das propagandas políticas querem atingir um público alvo. Existe uma chuva de candidatos que antes do nome de campanha vem: “Pastor” X, “Missionário” Y etc…, querem angariar votos daqueles que fazem parte do mesmo seguimento religioso.
    O estado é laico, não considera a religião nas suas decisões, mas não pode impedir que uma pessoa use a religião pra se eleger.
    Cabe a cada um de nós impedir isso.

    Carlos 24 Julho, 2009 14:32
  • Concordo com você.

    Lorelai 24 Julho, 2009 14:32
Loading...